O encontro de Martha com pixadores de São Paulo (Exclusivo)

Lorem ipsum dolor

Quinta-feira é conhecida como “Dia do Point” por muitos pixadores em São Paulo. Naquele 5 de Abril no entanto a programação de alguns escritores foi outra. Em Osasco, distante alguns bons quilometros da esquina da rua São João com Dom João de Barros , Dino chamou alguns amigos para uma reunião em casa. Mas não se tratava apenas de mais um churrasco, folhas rabiscadas e discusões de futebol. O motivo da reunião era a visita ilustre de uma única pessoa, uma senhora de mais de 70 anos de idade.

No meio de mais de 30 pixadores, Martha Cooper, renomada fotográfa americana, entendeu um pouco melhor o que é a pixação. Entre pastas e mais pastas de folhinhas, convites de festas (muitos deles originais), histórias e milhares de fotos, Martha se surpreendeu com o poder da pixação que convive com a cidade há mais de 30 anos. Tirou fotos dos seus anfitriões, distribuiu posters assinados, conversou com todos e fez até uma folhinha dedicada a todos os escritores do movimento.

Entretanto, em uma noite que pode-se considerar histórica, o que mais chamou atenção da fotográfa foi o fato de que pixação e graffiti coexistiram durante muitos anos sem contudo se conhecerem. Enquanto meninos se aventuravam em yards de Nova Iorque, garotos brasileiros já rabiscavam suas letras retas em muros por toda a cidade. Duas autênticas e muito genuínas expressões artísticas vindas do gueto e acontecendo simultaneamente em lugares distintos do mundo mas com um denominador comum, o amor por aquilo que se faz. Nada mais hip-hop!

_____

For the Pixadores, thursdays in São Paulo are known as “Dia do Point” (literally Meeting Point Day).  But there was something quite peculiar on that 5th of April. In the city of Osasco, far away from São Paulo’s downtown, Dino gathered some friends for a meeting at his place. But it was no ordinary barbecue to talk about soccer and sketch some letters with friends. On that day there was a very special guest, a lady in her mid-70s.

In the middle of 30 pixadores, Martha Cooper, one of the most important names when it comes to photography and graffiti, was there to learn a little bit more about the São Paulo’s original letter style/movement called Pixação. Surrounded by sheets and sheets of paper (traditionally called “Folhinhas”), party invitations done by hand, tons of history and thousands of photos, Martha was overwhelmed with the power of this art form that has existed in the city for more than 30 years. She took pictures of the hosts, distributed autographed photos for everybody, talked with pixação’s living legends and even did a “folhinha” dedicated to all people inside the movement.
However, what was brought to attention on this historical night was that Pixação and Graffiti have coexisted for such a long time without knowing one another. While young boys adventured in the yards of the big apple, Brazilian kids were writing on walls and buildings with their letter forms, which were prominent in Punk and Heavy Metal band logos all over the city. Two authentic and unique artistic expressions coming from the hood, and happening simultaneously in distinct places with something in common, the love for what they do. There’s nothing more Hip-Hop than this!

 

Fotos por: Martha Cooper / Mundano

Pixos presentes: Dino, Wolfs, Lixomania, Exorcistas, Xuim, Algos, Kop, Ilarios, Fungos, Chefe, Kbça, Os Metralhas, Coringa, Táticos, Hot City, Ark, Bacanas, 8ºBatalhão, Os Barbaros, Cia, Alucinados, CHT, AHG entre outros.

Agradecimento especial: Mundano (interprete e intermediador do encontro)