Entrevista – VERSUS Crew (10 Anos)

Lorem ipsum dolor

Criada em São Paulo a respeitáveis 10 anos, a crew Versus ganhou repercussão nacional e de mídias estrangeiras por seus feitos grandiosos nas ruas (no sentido literal da palavra mesmo). Conhecidos por serem praticantes do chamado “ultravandalismo” que envolve extintores na prática do graffiti, a turma conta ao Beside Colors, um pouco da sua história, suas referências e como
se aturaram todos esses anos juntos.

01 – Como surgiu e qual o significado da palavra VERSUS?
Surgiu do jogo de fliperama Street Fighter. Na época existia um lugar na Vila Mariana(Bairro de São Paulo) onde muitos escritores “colavam” pra jogar. Foi ai que o “Amém” (que atualmente assina Crock) inventou o nome. Toda vez que ele e o “Punk” íam pintar uma porta colocavam um “VS” no meio das portas representando um contra o outro, assim como no video-game. Simbolizando aquele role como um round e quem tinha pintado melhor ganharia o round!

02 – Quantos integrantes pertencem a crew e qual o vulgo de cada?
No início era somente o Amém e o Punk. Um ano depois o Amém foi se dedicar a sua outra crew, deixando com o Punk o nome VS. Depois entraram o Fat, Spot, Task (Portugal), Raíz, Cabs e Jarros. Fat e Raíz representaram muito bem a Versus, mas também saíram para formar sua nova crew.

03 – Hoje em dia é difícil pensar em VERSUS e não associa-los às ações com extintores. Quando e como surgiu a idéia de usá-los?
Surgiu com a vinda do Task para o Brasil em 2007. Ele nos mostrou o borrifador. Em 2008 o “Krink”começou a usar extintor, porém para comprar um no site dele, teríamos que desembolsar nada menos do que $1.000,00 dólares. Alguns artistas voltaram da gringa trazendo extintores(cromados) e reutilizáveis, iguais aos do Krink, e começaram a usá-los em São Paulo. Tentamos dar um jeitinho brasileiro no que tínhamos a disposição. No início era mais testes e aprendizado, de 2008 até 2009. Em 2010 conseguimos adaptar uma válvula no cilíndro do extintor, e desde então estamos aprendendo e evoluindo essa arte de fazer letras grandes com o extintor.

04 – Qual o segredo pra manter a turma unida por tanto tempo e na ativa?
Amizade é coisa que se conta nos dedos das mãos, pintamos só entre nós mesmos. Muitos querem fazer role com a gente, mas primeiro precisamos fumar um, tomar umas brejas, fazer umas tags…Para depois ver se as idéias “batem” com as nossas. Aí sim podemos pintar juntos. Muitos vêm a gente em ação e acham que estamos brigando em vez de estar pintando. Mas nosso entrosamento pintando é muito bom, já pintamos muito tempo juntos então sabemos o que o outro vai fazer. Enquanto um risca a letra, um preenche e o outro vai fazendo o background, aí quem riscou já vai contornando, outro fazendo o brilho e alguém finalizando no sub-contorno. Coisas que só quem pinta junto sabe!

05 – Nesses 10 anos o que mudou em vocês e nas ruas? Qual a diferença do VERSUS de 2005 para o de 2015?
A experiência, maturidade e alguns B.Os. Atualmente nos preocupamos mais em fazer uma ação na madrugada, coisa rápida. Antigamente a gente se unia mais para fazer o role no sábado e no domingo, durante o dia todo. No final da noite tinha aquele churrasco pra amenizar e rever as fotos do dia.

06 – Andar pelos trilhos e pelas ruas sempre renderam histórias e missões frustradas e bem sucedidas. Nesses 10 anos qual dentre elas ficaram na recordação?
Um dos episódios que rendeu bastante risada foi no dia que fizemos um de extintor do lado da câmara dos deputados, que era do lado de uma base da GCM(Guarda Civil Municipal). “Tomamos” o enquadro e a câmera continuou filmando, só que de dentro do bolso. Só vimos a filmagem com o áudio dos policiais depois de recuperar a câmera (porque ela foi pra perícia e levou algum tempo para a recuperarmos). Enfim. A mulher de um dos integrantes estava no “rôle” e durante o enquadro ela foi pra cima da policial feminina e depois de algemada ainda “mijou” na frente dela. Todos para a delegacia. Lá dentro um dos policiais acionou o gatilho do extintor. Foi tinta pra todo lado, inclusive na mesa do escrivão!
Outro episódio que vale a pena contar foi o “Fazendo Arte” no programa Policia 24h da TV Bandeirantes. Fizemos um roof top em cima da garagem de uma casa que estava alugando, porém tinha um carro na garagem e os moradores, um casal de idosos, no interior do imóvel. Quando ouviram o barulho chamaram a polícia achando que se tratava de um assalto.Quando a polícia chegou, para nossa surpresa, veio um repórter e uma câmera perguntando porque estávamos fazendo aquilo. A resposta do “Punk” ao repórter acabou virando bordão: “Tem gente que dança, tem gente que faz um monte de coisa…a gente faz graffiti”. Saiu em rede nacional esse episódio!

08 – Quais são as suas influências dentro do movimento?
Gringas: Psicose 156, Kegr, Task, Katsu, Kidult e Demos.
Nacionais: a pixação em geral, Guiga, Loucos, Dédo, Nunca, entre outros que fazem o verdadeiro graffiti.

09 – Com que frequência vocês saem todos juntos para pintar?
Até alguns anos atrás era como religião. Todo final de semana a crew estava unida a partir das 7 da manhã. Atualmente quase nunca.(risos) Cada um tem sua rotina, sua esposa, suas “responsas” de casado e de pai.

10 – Essa última nova modalidade de traço transversal feito a partir de extintor foi algo que repercurtiu na cena daqui e também, através de blogs, lá fora. Quem normalmente é o engenheiro da crew?
No começo das experiências era o “Punk” e o “Spot”. Aprendendo com a questão de válvulas, mangueiras, pressão etc…Essa nova modalidade com traço transversal(caligráfico) foi o “Spot” que inventou. Tem um novo bico que ele está estudando, que lembra o traço do NY fat cap (em maior escala) mas para o extintor, que está sendo testado e aprimorado!

11 – Quais os planos para os próximos 10 anos? Alguma missão em vista?
Os planos? Nosso hobby é fazer graffiti! Continuar pintando não só nas ruas. Fortalecer mais ainda a amizade. Ser lembrado não só por fotos e internet, mas pela atitude e pioneirismo. Agradecemos nossas famílias, que sempre nos suportaram voltando sujo de tinta pra casa, nossos amigos e camaradas, que sempre fizeram uma fumaça com a gente e todos que nos odeiam, se não fosse por vocês nós teríamos desistido antes…Yo! Versus Crew São Paulo!