2
Kings of Graffiti – Don 1
6 março, 2020

Kings of Graffiti – Don 1

Lorem ipsum dolor

Joseph Palattella foi mais uma cria das ruas do Queens. Longe das câmeras de Chalfant ou de livros como Subway Art de Martha Cooper, o escritor foi, apesar do ostracismo, um personagem importante do graffiti novaiorquino. Descendente de imigrantes italianos, dizem que Don 1 foi o primeiro escritor a reproduzir um desenho de Mark Bode em um trem.

Debza (FRANÇA)
6 novembro, 2018

Debza (FRANÇA)

Lorem ipsum dolor
Kings of Graffiti Collection
28 março, 2018

Kings of Graffiti Collection

Lorem ipsum dolor
Wall Writers na íntegra por Red Bull TV
27 março, 2018

Wall Writers na íntegra por Red Bull TV

Lorem ipsum dolor

A Red Bull TV disponibilizou para todos “Wall Writes: Graffiti in its Innocence” do diretor Roger Gastman. Com apenas áudio em inglês, o filme, mesmo pra quem não domina o idioma, vale a indicação. Fotos, depoimentos e ações num produção impecável! Clique no link e dê o play!

Reks Tag Collection

Reks Tag Collection

Lorem ipsum dolor

       

Benson
6 fevereiro, 2018

Benson

Lorem ipsum dolor
246 Crew (Japão)
29 janeiro, 2018

246 Crew (Japão)

Lorem ipsum dolor

Pode-se dizer que a crew mais atuante de Tóquio se resume a três números: 246. Com nomes como Wanto, Tom e estrangeiros como Mkue e Zombra, a crew sobrevive na cidade que monitora e combate o graffiti de maneira ferrenha. Selecionamos algumas fotos para ter uma idéia de quem compõem o time:            

CATEGORIA: Graffiti Ásia
A história secreta dos grafiteiros punks (por i-D)
5 dezembro, 2017

A história secreta dos grafiteiros punks (por i-D)

Lorem ipsum dolor

O primeiro livro do escritor Freddy Alva intitulado “Urban Styles: Graffiti in New York Hardcore” é um mergulho num tempo onde subculturas e movimentos undergrounds (fora dos holofotes do mainstream de hoje em dia) se misturavam de maneira natural e única. Alva aborda as congruências da cena punk rock dos anos 80 com o movimento que literalmente devastava as ruas de Nova Iorque nos anos 70 e 80, o graffiti. Um momento único onde duas culturas marginais co-existiram e se complementaram. Muitos escritores que se aventuravam entre os yards também dançavam no tablado do CBGB. Simples assim.